Entendendo as Cervejas Artesanais

Para quem não sabe, sou formada em turismo pela antiga FECEA, a qual corresponde hoje a UNESPAR campus Apucarana. Dentre várias matérias específicas, a que mais me chamou atenção foi gastronomia. Durante as aulas de gastronomia pude aprender muito sobre culturas, sabores, apresentações de pratos, restaurantes, etiqueta, temperos, comidas e bebidas. Fizemos duas degustações, uma de vinhos e outra de cervejas - as melhores aulas! Sempre fui apaixonada por bebidas alcoólicas, pela história e cultura que elas retratam e depois das aulas de gastronomia essa paixão apenas aumentou. Fiz o meu tcc sobre o Absinto, bebida mística com maior teor alcoólico do mundo e estudei muito sobre bebidas e o processo de fabricação de cada uma, dentre elas estava a cerveja - tema do post de hoje! 



A Produção:
O método de produção da cerveja é a fermentação. Segundo Pacheco (2004, p. 45) “Todas as bebidas alcoólicas resultam da fermentação de suas diversas matérias-primas. Fermentação é o processo de transformação dos açúcares ou da sacarificação dos amidos em álcool etílico ou etanol.” O suco extraído das enzimas que são separadas através de bactérias ou leveduras já incorporadas na matéria prima, é fermentado em tanques apropriados.



O processo básico de fabricação da cerveja é separado em cinco partes: a brasagem, o mosto, cozimento, a fermentação e por último a filtração.

Diferença da Cerveja Artesanal e a Cerveja Comum:
Ok, mas qual a diferença entre uma cervejaria artesanal e uma grande cervejaria? O segredo está na produção. A cerveja artesanal é mais encorpada e muito mais saborosa devido ao método de produção que advém da fermentação pura e honesta de ingredientes tradicionais como a cevada, trigo, centeio e aveia somada a ingredientes inovadores como café, mel, frutas, ervas e especiarias. Já as cervejas massificadas são produzidas em grandes escalas, com insumos cervejeiros como milho e arroz, além de outros adtivos como corantes e conservantes. Resumindo, a diferença está na qualidade e no sabor da bebida. 


Sobre os Insumos:
"Para elaborar receitas nas dezenas de estilos existentes, é necessário combinar diferentes grãos maltados e não maltados, em diversos graus de tosta, bem como diferentes variedades de lúpulo e de leveduras. Fora a água e o chamado malte-base, que é utilizado na receita de praticamente todas as cervejas, os insumos para a fabricação de cerveja são todos importados. Os maltes especiais (com diferentes graus de tosta ou defumados) vem da Alemanha, Bélgica, EUA e Reino Unido. Os lúpulos vem destes mesmos países, com a inclusão da República Tcheca, França, Austrália e Nova Zelândia. Até mesmo as leveduras muitas vezes são importadas da França ou dos Estados Unidos!" (Mestre-Cervejeiro)

Cultura X Costume:
Em um país tropical, como o Brasil, as cervejas menos encorpadas, pilsen, são mais comercializadas devido a sua leveza e são associadas diretamente ao calor. Estamos acostumados e relacionamos cerveja boa, a cerveja leve e gelada, mas os verdadeiros apreciadores de cervejas sabem das características de uma boa cerveja artesanal e que sua consistência nada mais é do que o resultado de um processo de qualidade - o que explica os altos valores de comercialização - e que a temperatura em que a bebida é servida possui grande influência em sua degustação, assim como o vinho. É uma questão de costume, comece experimentando as cervejas artesanais mais simples e logo estará apreciando IPA's (Indian Pale Ale), Stouts e outros estilos de cervejas.


Essa última foto é da degustação que fizemos durante a aula de gastronomia. 

Mais alguém com água na boca para beber uma cerveja artesanal?!
Na semana que vem vou falar de uma cervejaria artesanal que me conquistou, aguardem.

Espero que tenham gostado! Beijos.

Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Postar um comentário

Obrigada por visitar o meu blog! Volte sempre ;)